Metralhadora

No último domingo, uma ação de extrema violência e covardia chocou o mundo. Um homem subiu no 32o andar de um prédio em Las Vegas e disparou tiros de uma metralhadora contra a multidão, matando 59 pessoas e ferindo mais de 500 no incidente que ficou conhecido como o maior ataque a tiros dos EUA.

Acontecimentos como esse devastam as nossas emoções. Nos colocamos a pensar: como um ser humano é capaz de ser tão frio? Como uma pessoa pode chegar a esse nível de adoecimento psíquico e ninguém notar? Não temos respostas para perguntas tão desafiadoras…

Ocorre que o acontecimento de  Las Vegas nos colocou a refletir sobre as diversas formas que os seres humanos encontram para ferir outros seres humanos…

Há os que metralham com armas… Mas há também os que metralham com suas palavras. Essas pessoas não empunham armamento pesado, mas também causam enorme destruição nas emoções e nos relacionamentos. São “terroristas” que não sentem pesar ao falar mal do seu próximo, semear contendas, inventar intrigas… São dotadas de uma facilidade enorme em usar sua boca para ofender, diminuir, desmotivar, fofocar, despertar mágoas e separar bons amigos.

Há os que metralham com armas… Mas há também os que metralham com seu preconceito. Essas pessoas não sabem recarregar um rifle, mas estão constantemente recarregando seu arsenal de pré-julgamentos, juízos de valor, intolerância e prepotência. É gente que não precisa subir no andar alto de um prédio para se sentir superior. E, porque acha que está em lugar privilegiado, porque se julga melhor, sente prazer em destruir, em aniquilar e desprezar aqueles que estão “lá embaixo”.

Há os que metralham com armas… Mas há também os que metralham com seu desprezo. Essas pessoas não têm sangue frio para tirar a vida de alguém, mas são capazes de nutrir toda a indiferença necessária para tirar alguém de suas vidas. São pessoas que escolhem voluntariamente fechar os olhos e não enxergar quem está à sua volta. É um tipo de gente que simplesmente “risca do mapa” de suas vidas pessoas com as quais deveria se importar.

O terrorista de Las Vegas nos choca profundamente… Mas igualmente nos chocam os pequenos terrorismos a que todos estamos sujeitos todos os dias. Que Deus tenha misericórdia de nós e nos ajude a nunca empunhar uma metralhadora – seja ela qual for – sobre nem uma vida sequer.

Pr. Heleénder e Anna Eliza

Faça a sua Reserva